Classificação F.C.I.:
Grupo 02 - Pinscher, Schnauzer, Molossos e Boiadeiros Suíços
Seção 2.1 - Tipo Dogue/Mastife
Padrão FCI no 346 - 15 de junho de 2001.
País de origem: Espanha
Nome no país de origem: Dogo Canario
Utilidade: Guarda e defesa.
Sem prova de trabalho.

 

RESUMO HISTÓRICO: cão molossóide originário das Ilhas Tenerife e Grande Canária, no arquipélago Canário. Surgiu como resultado do cruzamento entre o “majorero”, cão pastor pré-hispânico oriundo das ilhas e cães molossóides que chegaram ao arquipélago. Destes cruzamentos, originaram um agrupamento étnico de cães do tipo dogo, de tamanho médio, de cor tigrada e fulvo, manchados de branco, de morfologia robusta, própria de um cão molosso, porém com agilidade e força, de bom temperamento, rústico e de caráter ativo e fiel. Durante os séculos 16 e 17 sua população aumentou consideravelmente, existindo numerosas referências ao mesmo nos textos históricos posteriores à conquista e sobretudo aos “Cedularios del Cabildo”, nos quais se explicam as funções que realizavam, especialmente como guarda e cuidado dos rebanhos bovinos, assim como, aos serviços que prestavam aos fazendeiros para recolher o gado.

APARÊNCIA GERAL: cão molossóide, de tamanho médio, simétrico, de perfil reto, com máscara negra. Rústico e bem proporcionado. É um mesomorfo, cujo tronco é mais longo que sua altura na cernelha, acentuando-se a característica longilínea ligeiramente maior nas fêmeas.

COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: seu aspecto é sereno. Olhar atento. É especialmente dotado para as funções de guarda e tradicionalmente para cuidar e conduzir o gado. Seu temperamento é equilibrado e de grande confiança em si mesmo. Latido grave e profundo. É manso e nobre em família, com grande apego ao dono e desconfiado com estranhos. Expressão de grande confiança, nobreza e um pouco distante. Quando em alerta, sua atitude é muito firme e seu olhar vigilante.

CABEÇA: maciça, do tipo braquicéfala, de aspecto maciça, coberta de pele solta e frouxa. Sua forma tende a ser um cubo um pouco alongado. A proporção entre o crânio e focinho é de 60-40%. A largura do crânio é de 3/5 do comprimento total da cabeça.

- REGIÃO CRANIANA

CRÂNIO: ligeiramente convexo em sentido antero-posterior e transversal, se bem que o osso frontal tende a ser plano. Sua largura é muito similar ao seu comprimento. A arcada zigomática é muito marcada com grande desenvolvimento dos músculos temporais e masséteres, porém, sem saliências. A crista occipital não é marcada.

STOP: definido, porém não brusco. O sulco mediano entre os sulcos frontais é marcado e ocupa aproximadamente 2/3 do crânio. As linhas crânio-faciais são paralelas ou ligeiramente convergentes.

- REGIÃO FACIAL

TRUFA: larga e fortemente pigmentada de preto. Ela esta colocada na mesma linha da cana nasal. O vértice superior se encontra ligeiramente atrás em relação ao início das bochechas. As aberturas são grandes, adequadas a uma fácil respiração.

FOCINHO: de comprimento menor que o crânio. Normalmente 40% do total da cabeça. Sua largura é de 2/3 do crânio. Muito largo na base, diminuindo ligeiramente até a trufa. A cana nasal é plana e de perfil reto, sem curvaturas.

LÁBIOS os lábios superiores são aderentes, sem excesso e em sua junção, vistos de frente, formam um “V” invertido. Lábios e bochechas ligeiramente divergentes. O interior dos lábios é de cor escura.

MAXILARES / DENTES: mordedura em tesoura. Admite-se a mordedura em torquês, embora não desejada, devido ao desgaste dentário que provoca. Pode-se admitir um ligeiro prognatismo. Os caninos apresentam ampla distância transversal. Os dentes são longos com base de implantação muito forte, de molares grandes, incisivos pequenos, caninos bem desenvolvidos e com encaixe correto.

OLHOS: ligeiramente ovais, de tamanho médio a grande, com boa separação, brevilíneos, nem profundos, nem protuberantes. As pálpebras pigmentadas de preto e bem aderentes, nunca caídas. A cor oscila desde o castanho escuro ao médio, de acordo com a pelagem. Nunca claros.

ORELHAS: de tamanho médio, bem separadas, de pêlo curto e fino, caindo sem esforço ao lado da cabeça. Se dobradas, são em forma de rosa. Inserção ligeiramente superior à linha prolongada dos olhos. As orelhas inseridas muito altas e juntas são atípicas. Nos países onde cortar é permitido, elas ficarão eretas.

PESCOÇO: mais curto que o comprimento total da cabeça. A borda inferior apresenta a pele solta, o que contribui para a formação de uma leve barbela. O pescoço e maciço, reto, com tendência a cilíndrico e muito musculoso.

TRONCO: longilíneo, largo, profundo, seu comprimento supera a altura na cernelha em 18-20% sendo esta diferença mais acentuada nas fêmeas. Os flancos são pouco marcados.

LINHA SUPERIOR: reta, sem deformações, sustentada por uma musculatura bem desenvolvida, porém pouco visível. Em ligeira ascenção desde a cernelha até a garupa.Nunca deve ser selada ou carpeada.

GARUPA: média, larga, arredondada. Não deve ser longa porque limitaria sua movimentação. Nas fêmeas, normalmente, é mais larga.

PEITO: de grande amplitude, com músculos peitorais bem marcados. Sua profundidade deve chegar no mínimo ao cotovelo, tanto de perfil como de frente. O perímetro torácico é normalmente igual a altura na cernelha, mais 45% desta. Costelas bem arqueadas.

LINHA INFERIOR: ligeiramente recolhida em linha ascendente, mas nunca descendente.

CAUDA: grossa na raiz, estreitando-se até a ponta e não deve ultrapassar o jarrete. De inserção média. Em ação se eleva em forma de sabre, sem enroscar ou avançar sobre o dorso. Em repouso, é reta com uma ligeira curvatura na ponta.

MEMBROS ANTERIORES:

OMBROS: com boa inclinação.

BRAÇOS: bem angulados, oblíquos e com antebraços perfeitamente aprumados, retos, de ossos largos e com boa musculatura.

COTOVELOS: nem muito aderentes as costelas, nem muito afastados. A distância dos cotovelos ao solo representa normalmente 50% da altura total dos machos e ligeiramente menor nas fêmeas.

METACARPOS: muito sólidos e ligeiramente inclinados.

PATAS ANTERIORES : pés de gatos com dedos arredondados, não muito juntos. As almofadas plantares são muito bem desenvolvidas e pretas. As unhas são escuras; as unhas brancas não são desejadas, ainda que possam aparecer em função da pelagem.

MEMBROS POSTERIORES:

Posteriores: fortes e paralelos, sem desvio.

COXAS: longas e bem musculosas. As angulações não são muito marcadas, sem serem retas.

JARRETES: bem descidos.

PATAS POSTERIORES : ligeiramente mais longas do que as patas anteriores e de características similares.

MOVIMENTAÇÃO: em movimento, deve cobrir muito terreno, ágil e elástico. A passada deve ser longa. O porte da cauda é baixo e apenas eleva a cabeça sobre a linha dorsal. Em atenção, a posição da cabeça é erguida e a cauda também.

PELE: grossa e elástica. Frouxa no pescoço e ao redor. Em atenção, forma na cabeça várias rugas simétricas que tem como eixo o sulco mediano entre os sulcos frontais.

- PELAGEM

PÊLO: curto, rústico, bem acamado, sem subpêlo (pode apresentar-se, em ocasiões, no pescoço e na garganta), que apresenta certa aspereza no toque. Muito curto e fino nas orelhas; ligeiramente mais longo na cernelha e na crista das ancas.

COR: tigrado em todos os tons, desde o escuro muito forte até o cinza muito claro ou vermelho. Fulvo em todos os tons até cor de areia. O branco Pode aparecer no peito, na base do pescoço ou na garganta, nas patas e dedos posteriores, sendo desejável o mínimo possível. Máscara sempre preta, sem ultrapassar a altura dos olhos.

TAMANHO:

Machos: 60 a 65 cm

Fêmeas: 56 a 61 cm.

Em casos de exemplares muito típicos, admite-se 1 cm de desvio acima ou abaixo.

PESO MÍNIMO :

Machos: 50kg

Fêmeas: 40 kg

FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade.

FALTAS LEVES

• excessivas rugas na região crânio-facial, que não prejudiquem a expressão.

• mordedura em torquês.

FALTAS GRAVES

• cabeça fora das proporções estabelecidas.

• linhas crânio-faciais muito convergente (stop excessivo, muito pronunciado).

• máscara que ultrapasse a altura dos olhos.

• patas dianteiras ou traseiras virando para dentro ou para fora.

• bochechas excessivamente aderentes, retraídas ou adiantadas.

• altura da cernelha igual a da garupa.

• excessivas barbelas.

• pálpebras caídas.

• cana nasal carpeada (nariz romano).

• angulações muito escassas ou excessivas.

• linha inferior descendente.

• peito pouco profundo.

• aprumos incorretos. Inserção da cauda alta. Cauda fina.

• ossatura fraca.

FALTAS MUITO GRAVES

• perfil quadrado.

• cabeça triangular, estreita ou cubóide.

• aspecto leve.

• calda enroscada, muito fina, de igual grossura em todo seu comprimento ou deformada.

• tamanho muito baixo ou muito alto.

• linha superior selada ou carpeada. Falta de antepeito. Frente fraca. Costelas pouco arqueadas.

• ausência de rugas na região crânio-facial (pele esticada sem elasticidade).

• olhos claros (amarelos). Olhos muito juntos ou oblíquos. Proeminentes ou profundos.

• excessivo prognatismo.

• ausência de qualquer dente (exceto os P1).

• orelhas inseridas muito altas.

• crânio redondo ou abobadado.

• linha crânio-facial divergente.

• pêlo raso ou fino.

• pobreza de máscara.

• pescoço longo, pouco maciço.

FALTAS ELIMINATÓRIAS

• característica desequilibrada ou qualquer indício de agressividade.

• despigmentação total da trufa ou interior dos lábios.

• ausência total de máscara.

• manchas brancas não desejáveis.

• enognatismo (prognatismo superior).

• garupa mais baixa do que a cernelha; linha superior descendente.

• olhos azuis ou de diferentes tonalidades.

• cauda amputada.

• monorquidismo e criptorquidismo.

• peito pouco desenvolvido.

 

 

NOTAS:

• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem desenvolvidos e acomodados na bolsa escrotal.

 

• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.